Mario + Rabbids: Sparks of Hope Review – This Sparks Joy


Contra todas as probabilidades, Mario + Rabbids: Kingdom Battle foi um sucesso encantador e estranho, fundindo o mascote mega-estrela da Nintendo, Mario, com os coelhinhos pouco inspiradores da Ubisoft e jogando-os em um jogo de estratégia baseado em turnos, de todas as coisas. Era uma questão em aberto então se a Ubisoft, que assumiu a liderança do projeto, seria capaz de capturar a inefável magia da Nintendo enquanto emprestava alguns dos personagens mais icônicos da empresa. Com essa pergunta agora respondida, Mario + Rabbids: Sparks of Hope mira mais alto, conseguindo não apenas ser um spin-off de Mario surpreendentemente bom, mas legitimamente ser melhor do que alguns dos jogos recentes da Nintendo estrelando o corajoso encanador.

Como o original, Mario + Rabbids: Sparks of Hope é muito estranho. Ele ocupa uma versão paralela do Mushroom Kingdom, onde Mario e seus amigos socializam casualmente com seus doppelgangers Rabbids, e onde muitos deles estão empacotando calor – embora em um pacote abstrato de chiclete. Os Rabbids são um pouco detestáveis ​​e desconcertantes, mas Mario e seus amigos parecem educados demais para dizer qualquer coisa. Quando eles descobrem uma Spark, uma nova forma de vida que obviamente é um Rabbid fundido com um dos Lumas de Rosalina, eles imediatamente sabem que algo deve estar errado porque Rosalina nunca permitiria que isso acontecesse com seus bebês. O reconhecimento implícito de que ser um mutante Rabbid é um destino terrível me fez rir logo de cara.

Agora jogando: Revisão do vídeo Mario + Rabbids: Sparks of Hope

Isso é indicativo de como a Ubisoft aborda o tom geral: reverente e respeitoso da tradição de Mario, como é, enquanto atrevido e autoconsciente sobre suas próprias criações de Rabbids. Mario e seus amigos são a realeza dos videogames, e seu elenco inclui uma deusa espacial literal. Os Rabbids sempre foram feitos para serem irritantes; isso era meio que uma piada. Estes não são os mesmos, e o jogo sabe disso, justapondo os dois um contra o outro para um efeito cômico surpreendente.

A estranheza existencial vai além dos próprios personagens, é claro. Este é um jogo de estratégia baseado em turnos, semelhante a outras séries táticas como XCOM, mas pouco reconhecível nesta apresentação, onde posicionar suas forças e escolher quando se proteger ou aproveitar sua vantagem é fundamental. Desta vez, porém, o posicionamento recebe uma atualização massiva com a adição de movimento livre. Onde Kingdom Battle usou um sistema de movimento baseado em grade, Sparks of Hope permite que você corra pelo ambiente quase tão naturalmente quanto em qualquer jogo de plataforma Mario, completo com sua sensação familiar de impulso.

Esta mudança aparentemente pequena tem um enorme impacto na forma como o jogo se comporta, tornando-o suave e dinâmico. Você pode se mover o quanto quiser até travar no lugar executando um comando de ataque, e dentro desses limites há um grau de liberdade libertador. Você pode atacar os inimigos, organizar uma cadeia de saltos nos ombros de seus companheiros de equipe ou até mesmo voltar se você pensar melhor em suas escolhas de posicionamento. A capacidade de trocar entre os membros do seu grupo significa que você pode ir e voltar entre as fases de movimento e ação com incrível facilidade. Tudo parece tão natural que eu geralmente nem me importava com a falta de um botão de salto, por mais herético que possa ser para um jogo que se parece tanto com um jogo de plataformas do Mario.

O outro grande aprimoramento de jogabilidade vem dos próprios Sparks titulares. Estes são tipos de equipamentos trocáveis, concedendo a capacidade de equipar suas tropas com habilidades especiais. Estes podem variar de grandes ataques elementais a buffs de área de efeito, ou até mesmo traços incomuns.

Luigi é especificado como um franco-atirador, com o maior alcance e dano aumentado para tiros distantes. Eu o equipei com Ethering, um Spark que permite acionar um dispositivo de camuflagem temporário. Isso parecia um ajuste natural para ele – o arco de Luigi fica mais fraco quando os inimigos fecham a brecha e se aproximam dele, então ficar invisível permitiu que ele ficasse melhor fora da briga e a uma distância onde ele pudesse causar o maior dano. Mas também achei útil para mais do que apenas atacar: a camuflagem permitiu que Luigi contornasse inimigos menores para obter um ponto de vista melhor para um alvo de alta prioridade durante as batalhas contra chefes. E quando o objetivo era simplesmente permanecer vivo, camuflar por alguns turnos me deu um tempo inestimável para esgotar o relógio.

Bowser, por sua vez, é melhor em médio alcance, então ele tem Exosphere, uma Spark que lhe permite aumentar a defesa em uma área de efeito. Mario, como meu líder de equipe de fato, fez com que Starburst aumentasse o ataque de todos e Oozer Master para gerar uma criatura de lodo que efetivamente adicionou um companheiro controlado por IA às nossas fileiras. Como nos melhores jogos de combate tático, algumas batalhas são perdidas e vencidas nas decisões que você toma entre as rodadas, enquanto você mexe com diferentes combinações de Spark e planeja como elas podem aumentar seus pontos fortes ou limitar suas deficiências. É um sistema flexível que faz com que suas decisões pareçam impactantes enquanto permanece simples e compreensível, como um jogo do Mario deveria ser.

Há muito mais variedade quando se trata de explorar o mundo fora do combate também. Enquanto o mundo superior de Kingdom Battle era colorido o suficiente e parecia parte do Mushroom Kingdom, era essencialmente um caminho reto e não muito interessante para explorar. Sparks of Hope aborda isso de frente, com cinco planetas abertos cheios de quebra-cabeças ambientais e mini-batalhas opcionais. Mario quase pega uma página de Zelda nesses momentos, já que os quebra-cabeças geralmente giram em torno do posicionamento de um bloco ou do gerenciamento de plataformas móveis. Esses quebra-cabeças ajudam a quebrar o ritmo da batalha, dando a você algum tempo de espera para se concentrar em um tipo diferente de solução de problemas. Eles podem ocasionalmente se tornar tediosos, pois você pode conhecer a solução, mas precisa mover um widget para frente e para trás entre os locais. Na maioria das vezes, porém, eles são uma mudança de ritmo bem-vinda.

O combate ainda é a maior parte da experiência, e é um excelente refinamento em relação ao seu antecessor. Os ambientes de combate são bem projetados para aproveitar suas opções de movimento, e há uma enorme variedade de inimigos que podem ser misturados em novas combinações de desafios. Sparks of Hope também aproveita a flexibilidade de seu sistema de combate e Sparks, apresentando muitos tipos diferentes de desafios e batalhas contra chefes que frequentemente forçam você a pensar em uma nova abordagem ou planejar seus movimentos com muito mais cuidado. Não há nada como o momento a-ha de resolver um quebra-cabeça de combate difícil, e este é um jogo que oferece esses momentos em um ritmo regular.

Nenhuma legenda fornecida

Galeria

O embrulho de Mario revestido de doces não vem à custa de sua boa fé tática. Mas ainda é um jogo de Mario, o que significa que pretende ser acessível para jogadores de todos os níveis de habilidade. A dificuldade padrão “Média” é adequada para aqueles que se acostumaram com outros jogos táticos, enquanto o modo “Relaxante” diminui enquanto ainda apresenta desafio suficiente para novatos e o modo “Exigente” é significativamente mais difícil. Se isso ainda não for suficiente, você pode ajustar configurações individuais como quão agressivos são os inimigos, se a saúde é restaurada após a batalha (e quanto, em caso afirmativo) e até mesmo uma configuração de alternância para tornar seus personagens invulneráveis ​​a danos.

Tudo isso é complementado por uma história que é engraçada e até, surpreendentemente, doce. À medida que o iminente filme de Mario se aproxima como uma versão animada do personagem clássico, este jogo mostra como você pode fazer um desenho animado e engraçado de sábado de manhã com esses personagens. Quando Bowser se junta à festa, ele diz que o vilão, Cursa, roubou seu exército de imbecis – uma linha de riso que realmente me fez rir alto. Muitas vezes me peguei rindo das travessuras dos personagens, até mesmo dos Rabbids. Em alguns casos, especialmente os Rabidos. Eu até passei a amar o herói conscientemente sério Edge, e não apenas porque seu ataque de espada foi útil na batalha e, objetivamente falando, foda. Mas também me senti tocado em vários momentos, em um ponto até ficando enevoado com seu puro otimismo sincero.

Simplificando, Mario + Rabbids: Sparks of Hope é uma delícia absoluta. Esta é uma combinação que não deveria funcionar e, no entanto, mais do que funciona – é excelente. Quando a Ubisoft anunciou Kingdom Battle, o conceito parecia tão bobo que seu sucesso foi uma surpresa. Sparks of Hope é uma melhoria em todos os sentidos, desde a caracterização e construção do mundo para combater a variedade e flexibilidade até a diversidade ambiental. A Ubisoft ama e respeita esses personagens, e agora mostrou definitivamente que mesmo algo tão familiar e confortável como Mario ainda é capaz de nos surpreender repetidamente.



Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *